Entrando no mercado de design – A Continuação

Após fazer Portfólio, Currículo e estar mandando e-mails, você verá como fica mais fácil conseguir entrevistas, mas o trablho ainda não acabou (na verdade acho que nunca acaba.).

Você deve mostrar que realmente quer a vaga na entrevista, mostrar que realmente quer trabalhar na área, que tem verdadeira paixão pelo que faz. Isso são coisas essenciais para ter a primeira oportunidade.

O olhar, Realemente pessoas que iram ter seu primeiro trabalho na área geralmente tem aquele olhar de novidade, de curiosidade e vontade. Simplesmente é um brilho a mais no olhar. Você não pode barrar esse brilho, pois ele conta pontos. Muita gente acha que isso não é verdade que te deixa menos profissional, mas a verdade é que pessoas que tem esse brilho tem mais garra e vontade de fazer a agência crescer. É isso que os contratantes veêm.

Outra coisa importante é não ficar perguntando sobre salário, na verdade (se possível) nem se importar com isso, o primeiro trabalho na área você irá ganhar mal, não tem jeito, porém se você conseguir se provar (aí que entra a paixão e determinação) ou seja, se você mostrar que está evoluindo e que realmente esta fazendo seu trabalho, você acaba ganhando aumento e conseguindo propostas bem melhores.

Outro ponto interessante que devo falar é você nunca parar, você conseguindo entrevistas mesmo que trabalhando, pode gerar uma proposta, que mesmo que você não saia da sua agência, essa proposta pode gerar uma contra-propósta para você ficar onde está. Claro que com isso você não deve blefar.

Re sumindo o importante no primeiro emprego é você aprender o máximo, você está lá mesmo para aprender, é um estágio. Arendendo você evolui o salário também.

Por isso eu digo, Nunca desista dos seus sonhos!.

Entrando no mercado de design – O Começo

Após feito o portfólio e o Currículo Chegou a hora de realmente provar sua determinação!

Agora é a hora de conhecer gente e mandar inúmeros currículos. Como disse no post sobre a determinação, você irá ouvir muitos NÃOs no começo, tem que continuar até ouvir um sim, a partir daí é só você trabalhar bem, com vontade, que as coisas acontecem, mas isso será um outro post.

A questão deste post é ajudar você a achar um meio de entrar no mercado. Pois para mim foi relativamente difícil, mas que agora esta se facilitando aos poucos. Pois bem uma das coisas importantes, colocar seus currículos com portfólio onde possíveis empregadores iram ver, segue a dica de dois sites ótimos para isso:

Vitrine Publicitária

Galera Solo – Este espaço foi disponibilizado pelo Mauro Amaral no site Carreira Solo, que da dicas de como se tornar Freelancer.

Cadastrou seu portfólio lá? Pois então aproveite o link da visualização deles para colocar nos currículos que você enviará por e-mail.

Para achar vagar e mandar e-mails:

http://publicijobs.blogspot.com/

http://www.vitrinepublicitaria.net/

http://www.orkut.com.br/Community.aspx?cmm=47404

http://carreirasolo.org/vagas

Até aqui tudo bem? Agora vem dicas para quem tiver mais perceverança.

Você tem alguma agência que você queria trabalhar? Sabe o nome do diretor de arte? Não? Se sabe por favor mande um e-mail para ele com seu currículo, e se n souber comece a entrar em sites de grandes agências e vá mandando currículos, e não espere resposta, essa atitude é um tiro no escuro, eu recomendo reaizá-la junto com o cadastro de portfólio (para mandar os links por e-mail no currículo) e para ter a certeza que você poderá conseguir um trabalho.

O mais importante naárea é entrar no mercado, conseguindo você irá crescer nas agências aos poucos.. indo de uma pequena para uma média para uma grande para uma Almap da vida.

O caminho é longo, e você faz seu nome, o importante é nunca desistir.

Para quem quizer fazer um NetWork (rede de contatos) me conhecendo meu email está na página “sobre quem escreve”.

Espero que tenha ajudado e vamos á luta!

Entrando no mercado de design – O Currículo

Falando de Currículo neste post, devo antes de dar dicas sobre o msm, falar da importancia dele.
Muitas pessoas acham que a primeira coisa a ser feita é o currículo, mostrar ao mundo os cursos que você fez e esperar que eles deduzam o que você é capaz de fazer, isso está errado.
O mais importante é o portfólio, não adianta você querer uma vaga em criação e design sem ter trabalhos para mostrar o que você sabe fazer, de que adianta estudar nos melhores centros de ensino na área se você não tem trabalhos para mostrar, seu estilo, o que você faz com as ferramentas.
Visto isso, sim o currículo é muito importante, é ele que vai fazer você olhar para o portfólio caso ele não tenha sido visto logo de cara, é ele que vai polpar tempo de explicações duas, e vai dizer onde você aprendeu a fazer.
Bom para fazer um bom currículo você tem que seguir os padrões, msm no meio de apresentar seja diferente, o jeito que você organiza o conteudo tem q ser o mesmo, facilita a leitura para o contratante.
Vamos aos passos:

* Sobre você, comece falando seu nome, rg (e/ou CPF), data de nascimento (e idade, sim precisa de idade, não faça o contratante fazer contas, isso atrasa ele para ver seu portfólio), seguido de seu endereço e contato (cel, tel e email).
* Sobre a área, cite a área desejada, ultimamente um grande ídolo meu na área falou para mim que seria melhor colocar mais do que a área em si, pois eu tentei abranger pois quero design, publicidade e criação de um modo geral, ele falou que seria melhor centrar, fazer um pequeno texto (de umas 3 linhas mais ou menos) sobre a área que você quer e por que, não tive tempo de mudar meu currículo, mas já adianto que irei fazer uns 3, um para cada área.
* Sobre a carreira, agora sim é a hora de falar dos cursos, fale a instituição, o curso e a duração (início e término, caso ainda não tenha terminado coloque “em andamento” ou algo do genero), cite todos os cursos, isso é muito importante.
* Sobre os conhecimentos, diga o nível dos softwares que você conhece com os cursos, tem uma história que um povo me falou que um cara colocou no currículo como se fosse a vida de um personagem em jogo de luta… o nível é isso.. o quanto você sabe de determinado programa, avançado, intermediário e básico.
* Sobre a experiência, sei que muitos que estão lendo este post não tem experiência, pois precisa saber onde colocar, se você possui é bom colocar. Ponha como se fosse um curso, a instituição, o cargo (função) e duração.
* Sobre palestras e worksshops, esse tópico não sei se funciona, pois nunca “ganhei” nada por ver palestrar, só o conhecimento em si… mas é bom colocar, antes errar para mais do que para menos. Coloque a instituição e as palestras que mais te acrescentaram algo.
* Sobre o portfólio, (você achou que ia se livrar? hahaha o carma de criação é o portfólio, ou pasta..) cite link caso tenha site, etc.

Bom espero que tenha ajudado.
Qualquer dúvida me mandem um email, contato está na área “sobre quem escreve”.

Como disse nos posts anteriores, não sou o dono da verdade, só quero passar o que eu acho! se tiver uma discordância me mande no email.

Entrando no mercado de design – A Determinação

Como citei no post anterior sobre o assunto, é necessário um portfólio bem feito que você goste, mas o portfólio não se faz por si só, é preciso ter determinação, é esse o tema do post de hoje.

Quando você esta entrando no mercado você não tem trabalhos tão magníficos (a não ser em casos raros) pois não trabalhou com um diretor de arte para auxiliar, um ponto muito útil para você aprender seu estilo e passar a ter mais noção do que ficaria melhor e tal.

Então como me destacar no meio da multidão enfurecida tentando entrar nesse mercado? A resposta é a determinação, meu primeiro trabalho foi na área de design e criação, já em agência, meus colegas de faculdade falavam para eu desistir e começar e marketing (onde o estágio é mais fácil) e depois passar para criação… Realmente para se entrar no mercado é difícil, porém com vontade você entra, só tem alguns pontos que você precisa para entrar:

* Gostar do que faz, não adianta querer trabalhar em design se essa não é a sua praia, pois estando lá você vai ser colocado á prova se gosta mesmo ou não, e só fica realmente quem gosta.

* Ter determinação para não desistir no primeiro não, Essa é mais complicada, pois eu recebi o primeiro trabalho logo na minha primeira entrevista, mas já havia enviado inúmeros currículos que nem obtive resposta, você não pode desanimar, tem q sempre estar encima das agências mandando currículo e fazendo contatos. O ponto chave esta no primeiro tópico, pois se você realmente gostar, você não irá desistir.

* Fazer contatos sempre que possível, se você faz faculdade na área ou cursos, faça bons amigos, seja sempre antencioso e verdadeiro, não adianta pedir emprego para quem você nunca olhou na cara direito, todo mundo conhece muita gente, nunca menospreze um contato por mais fora da área que pareça. Outra dica boa para dar é para sempre ser sincero com o professor se possível ter um vículo de amigo com ele, pois ele está constantemente na área, e consequente mente pode te indicar para uma vaga. É o caso de um novo estagiário na agência ondse eu trabalho, o dono da agência falou com um professor que deu aula para ele na faculdade (tinha ele no msn) e o mesmo indicou um aluno que era esforçado, agorapense comigo, se você cabula aulas, só zoa na aula, não ta nem ai para o professor, você acha que ele irá te indicar para algo?

* Demonstrar no currículo a área desejada, essa informação eu obtive ultimamente com um artista que eu mandei o currículo pensando que ele tinha uma empresa, ele foi realmente muito simpático e falou que não tonha estrutura para ter um negócio, que trabalhava como freelancer, e me deu dicas no currículo, falando que eu deveria dizer no currículo que área queria, mostrar interesse lá também, Currículo será um tema que abordarei no próximo post da série.

Bom então fica a dica, seja você mesmo e tenha vontade de estar na área, com isso o emprego perfeito aparece.

Entrando no mercado de design – O Portfólio

Como começar?

Vamos lá, como no post anterior da série, um redator da JWT em uma palestra disse que a “fórmula” era fazer 5 campanhas com umas 5 peças cada. De certa forma ele estava certo, porém tinha um fundo muito errado, ele estava generalizando, para fazer um bom portfólio você tem que abrir sua cartela de ferramentas, mostrar tudo que você é capaz de fazer e ao mesmo tempo se voltar para o que mais gosta… Achou complicado? Ninguém disse que era fácil, porém tentarei ser mais claro.

Quando você vai criar um portfólio você vai mostrar o que você sabe fazer, quanto mais coisas melhor. Vendo dessaa forma se você sabe fazer layout de site, propaganda para revista, banner, hotsite em flash, etc. Se você sabe fazer deve ter uma amostra no seu portfólio. Como se fosse uma empresa, você esta vendendo sua força de trabalho para a agência, por que não mostrar no que pode ser útil?

Sim, você também tem que ser voltado, ta confuso? Calma! Quando digo se voltar para sua preferência não quero que você crie dois portfólios nem que você faça 1 peça de cada e 15 da mídia que você mais gosta. Isso vai acabar sendo natural, pois quando você gosta, por exemplo, de criar logotipos, logicamente você terá mais logotipia no seu portfólio, é instintivo.

O mais importante é você gostar do seu portfólio, só a partir daí você, mostrando seu portfólio, transparecerá seu desejo na vaga, seu desejo na área.

O portfólio não tem uma fórmula, deve ser um conjunto de ótimos trabalhos, não adianta nada você ter 50 campanhas de 5 peças cada se suas campanhas não tiverem conceito. O conceito é muito importante em uma campanha, é a “lição de moral” que sua peça passará, é a ideologia. Isso é muito importante em peças e campanhas (principalmente).

O seu portfólio deve ser sincero, não adianta pegar peças do vizinho que manda bem, você vai provar que as fez no seu dia-a-dia na agência.

Bom resumindo é isso, reuna umas peças, não ponha muita informação para não ser massante, e pense que o diretor de arte é ocupado, tem uns 15 minutos para olhar, porém não coloque apenas duas propagandas, o cara tem que ver o seu potêncial, Eugênio Mohallem do CCSP, em seu “manual do estagiário”, estipulou um número interessantes de peças (10), eu diria para ser umas 15 ou 20, não sou o dono da verdade, apenas é o meu pensamento e sugiro que todos analizem e pesquisem mais antes de seguir fielmente algum conselho meu. (clique aqui para ver uma pesquisa no yahoo)

Bom a pergunta que mais interessa é onde encontrar vagas?

Segue dois sites e uma comunidade especializadas nessa área:

http://publicijobs.blogspot.com/

http://www.vitrinepublicitaria.net/

http://www.orkut.com.br/Community.aspx?cmm=47404

Voltarei em breve com mais conselhos!

Entrando no mercado de design – O por que do início da serie de posts

No técnico que fiz, relacionado a design, não tive noção de mercado, entrei na faculdade com a certeza de que eu queria criação e design e mesmo assim não tive muita noção de como fazer para entrar no mercado.
Até que teve uma semana de palestras e um redator da JWT revelou aos espectadores “a fórmula” (que para ele era a) certa.
Ele havia falado em fazer 5 campanhas, pois as pastas dos publicitários de hoje em dia só tem peça isolada, mas campanhas mesmo não tem, em média 5 peças por campanha, também falou de não usar produtos em que a propaganda é forte, pois o diretor de arte iria analizar com as próprias propagandas do produto.
E seguindo esses paços eu fiz meu portfólio e comecei a enviar a um monte de agência. Não recebi respostas, por sorte fui chamado por uma entrevista em uma vaga que nem tinha mandado o portfólio.
E graças ao trabalho que consegui tenho uma visão diferente do mercado, aqui não tem fórmulas, porém tem uns macetes que facilitam sua entrada.
Foi pensando nessa defasagem, que muitos aspirantes a designers e afins tem, que vou postar alguns conselhos de como conseguir um estágio na área e como continuar nele, usando minhas experiências como exemplo.